quinta-feira, 3 de julho de 2008

O Esperado...

...Diária e ansiosamente era aguardado pelas gentes da serra, nas suas respectivas localidades... Francisco Paula, o carteiro, que trazia as notícias dos familiares e amigos, para os habitantes serranos. Todos os dias palmilhava cerca de 30 km, num percurso feito a partir de Góis, com o saco da correspondência às costas, passando por todas as aldeias desta zona do concelho, demonstrando, sempre, as mesmas afabilidade e amabilidade, muito prestável para com todos os conterrâneos.
Quando soava o som da corneta, era ver gente saír de suas casas para lhe perguntarem se havia alguma carta para eles e /ou lhe trazerem uma sua para resposta a uma outra, ou na intenção dela obterem notícias de volta.
Outros houve, que exerceram a mesma função, fazendo, igualmente, o itinerário a pé, antes da bicicleta e da motorizada (lembro-me do Claudino...), mas o Chico Paula (como era conhecido), pelo seu carisma, tornou-se, quase, numa figura mítica da serra...

foto de Adriano Filipe (Não é o "Chico" Paula, mas terá sido um dos últimos carteiros a fazer as entregas a pé - percurso Carvalhal-Miúdo/Esporão - anos 70)

4 comentários:

Anónimo disse...

Amigo António Manuel
Em primeiro lugar quero felicitá-lo e dar-lhe os meus parabéns,pelo trabalho apresentado no blog.Gostava de lhe enviar umas fotos do carteiro assim como do moinho da Ribeira do Loureiro, do tio Vergilio.Não sei o endereço.
Gosto do modo como faz as suas narrativas,continue,força.
Um abraço A,Filipe
P.S.
(arodriguesfilipe@sapo.pt)
(triunfo.a@hotmail.com)
são meus endereços

Anónimo disse...

Adriano,
Agradeço a sua atenção e a sua opinião.
Quanto à foto que diz possuír, do carteiro, é mesmo do Francisco Paula?
É óbvio, que estamos receptivos ao fornecimento de dados e elementos para enriquecermos mais as narrativas e a respectiva imagem...
Um abraço
António M.R.Martins

Meus endereços:

antonio.martins1955@gmail.com

antoniom@rexel.pt (emprego)

Grato pela atenção

M Barata disse...

Muito obrigada por esta foto!
É uma verdadeira reliquia. Tanto tenho ouvido falar do carteiro, que que vinha a pé e se anunciava com a corneta...
O trabalho que vem apresentando é realmente louvavel.
Um abraço

Guidinha Pinto disse...

Sim sim, o carteiro. Também me lembro dele(s), a marcarem a chegada com um toque da corneta. Um deles, costumava entregar o totobola do sr. meu pai, em Góis.
São realmente figuras que ficam do nosso passado comum. Independente dos nomes de cada um deles (eu não me lembro de nenhum em particular), são as figuras fardadas com saco de cabedal à tiracol, pessoas de confiança, que eu recordo.
Um bem haja para si e para cada carteiro que passou pela Cerdeira, carregado de boas e más notícias.